Monthly Archives: October 2001

Uma gangorra diabólica.

Nem bem começou e já não consigo mais dormir direito. Tenho tido sonhos estranhos, carregados, obscuros, perturbadores. Todas as noites. Então, escrevo um pouco todas as manhãs, para desabafar.

Eu estou mesmo cansado dessa gangorra. Falam de guerra assimétrica. Pois ela me parece é muito simétrica. Cá e lá, lá e cá. Estou é ficando tonto.

Pois acho que não importa mais de que lado se esteja.

Aqui, os valores de nossa civilização. Ali, os da deles. Empatou. Do lado de cá, mortos sob os escombros. Do de lá, mortos de fome. Empatou de novo. A grana contra a fé. A força contra a barbárie. A hipocrisia contra a demência. Tudo empatado. Empatado. Apita esse jogo juiz! Chega. A gente quer dormir!

E também estou cansando de tantas informações ideológicas. De tantas análises. São mais lenha na caldeira do pêndulo. Cá e lá. Lá e cá.

Os dois lados mostrando os dentes, os músculos, as lágrimas, o ódio.

Para cima e para baixo, conversas de gabinetes constróem estratégias, diplomacias, artimanhas. Castelos de cartas.

É preciso que essa guerra, simétrica ou assimétrica, vire dessimétrica. Ou seja, que algo de espetacular aconteça. Algo maior, mais terrível, mais surpreendente, completamente desproporcional. Um dilúvio, um apocalipse, uma revelação. Uma bomba de Hiroshima só que mais original que essa já está manjada.

Uma coisa grande seja capaz de quebrar essa engrenagem diabólica do bem contra o mal, qualquer que seja o lado em que ele se encontre. E não importa tampouco onde. Lá ou cá, cá ou lá. Cá e lá.

Rezo para que venha do espaço. Do além.

Ou, quem sabe, de uma tosca manjedoura. Quem sabe, quem sabe.

FacebookTwitterPinterestGoogle+TumblrLinkedInGoogle BookmarksStumbleUponShare

Conseguiram.

Estou para ver uma coisa mais irritante e invasiva do que um formato de publicidade on-line chamado pop-up.

Ele entra sem ser chamado, não avisa, atrapalha e demora. Parece que responde àquele briefing matuto “olha, quero que minha propaganda chame a atenção, viu?” Não tem nada mais brochante do que ouvir um cliente dizer de uma peça que ela “chama a atenção” achando que ele está fazendo um elogio.

Pois, por definição, o formato pop-up chama a atenção.

Um amigo costuma chamar o pop-up de “pára-porra”. Isso porque você fecha aquela coisa, clica num link da página, e lá vem ela de novo. Isso é muito freqüente em site de sacanagem e é sacanagem o que aqueles milhões de pop-up´s são brochantes.

Pop-up´s portanto são uma porra que chama a atenção. Mas é uma porra.

Mas tem pior. Muito pior. E o pior de tudo é quando alguém consegue a proeza de transformar uma coisa que já é uma porra, numa outra mais nojenta ainda.

Pois conseguiram.

Entrei hoje em um site e aquele pop-up estava lá, me perturbando. Vá lá que seja, já estou tão acostumado àquele site que nem ligo. Ele abre, eu fecho e pronto. Mas hoje se superaram. Na horinha que eu estava tentando, num simples reflexo, fechar o coitado, ups, ele desliza para o lado e ainda faz uma gracinha. Tento de novo e lá vem mais uma gracinha. E isso umas 3 vezes.

Num recurso técnico simples e batido, resolveram “reforçar” o atributo do produto incorporando esse gadget. Reforçou. Chamou a minha atenção. E me chamou de idiota por tabela.

Daí fico pensando em quem criou aquilo. Merece um prêmio. Mas eu daria o prêmio maior para quem aprovou a peça. Ele conseguiu algo muito mais difícil: trabalhar no marketing de uma empresa e nunca ter entrado na Internet. Bravo.

Mas agora, por favor, pelo amor de Deus, tirem essa porra!

PS: Em tempo…eu não queria divulgar, mas existe um aplicativo destruidor de pop-ups: http://software.xfx.net/utilities/popupkiller/download.htm

FacebookTwitterPinterestGoogle+TumblrLinkedInGoogle BookmarksStumbleUponShare