All work and all play: 10 minutos num biscoito chinês

Desde de a década de 60, a sociedade-bem-nutrida banhou-se na quimera de que o bem-estar era um fim e não um meio: “não importa o que, contanto que eu faça o que amo”. Sabedoria de biscoito chinês.

Apesar de passados mais de 50 anos, os bem-aventurados dos anos 2012 – sempre reclassificados por antropólogos de videogame – ainda empunham as bandeiras de um revisitado flower power pseudo-consciente e um epicurismo semi-engajado, movidos pela valorização exacerbada de uma juventude cheia de energia e um empreendedorismo imediatista, com o perdão do eufemismo.

Imagens clipadas dos lindos e livres, movidos por filosofias de super-herói, citações precoces e pesquisas precipitadas são uma cachaça fácil de digerir.

Desde que o homem olhou para as nuvens e perguntou-se para onde rumavam apressadas, é mais fácil acreditar do que pensar, comer batata frita, evitar o amargo, falar antes de ouvir, dormir, trabalhar só o necessário, aprender na wikipedia e engolir o mastigado.

A receita, regurgitada, diz que a vida só vale a pena se gozada. “Dá trabalho? Desiste, parte para outra. Leva tempo? Cai fora, tenta outra. Não insista. Não persevere. Não estude. Não aprofunde.”

Tendência ou revisionismo oportunista? E no subtexto, sutil demais, duro demais: é a seleção natural dos belos e sortudos.

Como disse o vampiro Barnabé: ” É uma pena. Vocês são jovens e legais, mas vou ter que comê-los.”

FacebookTwitterPinterestGoogle+TumblrLinkedInGoogle BookmarksStumbleUponShare

7 thoughts on “All work and all play: 10 minutos num biscoito chinês

  1. antropólogos de videogame.
    epicurismo semi-engajado.
    empreeendedorismo imediatista.

    the old fernand is alive.
    like it.
    :-)

    p.s.: confesso que não consegui assistir até o fim.
    vai ver escolhi não perserverar…

  2. considero que seja mais importante perseverar no que te apetece

    insistir em ações não prazerosas nunca lhe preencherão plenamente. mesmo que seja por necessidade, o fará ecoar em seu cérebro, ad infinitum, a célebre ‘pq estou fazendo isso mesmo?’

    e não entendi muito bem quando citas a wikipédia. notadamente ela é passível de conhecimento corrompido. mas sabendo usá-la, facilitou o acesso ao conhecimento. um salto enorme na abrangência do ‘connaissance’

    penso que saibas disso, mas talvez tenhas preferido criticar o filósofo de biscoito chinês. pressupus isto, já que também reparei no banner aqui embaixo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Connect with Facebook

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>