Crise de quê?

Existem muitas teorias sobre a crise menos porque saber as causas ajuda a tratar, mas principalmente porque ajuda a suportar as consequências.

Mas a psicologia das causas são um objeto de estudo divertido.

Politização das causas públicas, corrupção, paternalismo do Estado, falta de infraestrutura, de educação, blablabla. Todas elas, sem exceção, terceirizam a responsabilidade, porque também faz parte daquele mesma dinâmica: encontrar um álibi intelectual para sofrer menos e se for a culpa dos outros, melhor.

Todas elas também são causas opacas, complexas e em cuja relatividade reside uma espécie de mística para manter afastada das discussões a grande massa ignara.

Mas esqueceram uma: a crise, esta crise, também é uma crise de fé.

“Não tem jeito. O Brasil não tem. Isso não vai funcionar aqui. Aqui é diferente, nem adianta tentar.”

Essa mesma gente que se empoleira atrás das causas arcanas, suportadas por números transcendentais, é a mesma gente que nunca teve um pingo de fé. Fez de conta que acreditava mas no fundo, não queria porque acreditar significa abalar privilégios.

Mas tem gente que ainda acredita. Muita gente acredita até porque tem pouca alternativa.

E como antes, é essa gente que não tem opção senão acreditar que vai fazer a gente sair da crise. Com ou sem políticos dinamarqueses, com ou sem infraestrutura alemã, com ou sem educação coreana.

2 thoughts on “Crise de quê?

  1. Fernand, boa noite. Enquanto houver gente como você votando na Dilma, gente que tem acesso à informação e que deveria ter mais coerência, mas prefere acreditar nos mitos criados pela mídia petista, não teremos chance de virar um lugar decente para viver…
    Quero acreditar que seu voto foi apenas uma burrice passageira. Vai fazer um mea culpa ou vai fingir que não sabe de nada, como aqueles que você ajudou a eleger?

    Abração!
    M. Cohen

Leave a Reply to Fernand Alphen Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Connect with Facebook