Guanxi sim, Ele não

Solidariedade é uma palavra castigada. Muitas vezes confundida com generosidade filantrópica que pressupõe uma relação de superioridade (de quem dá) e inferioridade (de quem toma). O que desgasta a palavra é sua conotação caridosa (ou, pior, religiosa). A solidariedade opera em um plano não econômico, não racional. Solidário é o bazar da igreja, é a arrecadação de cobertores e leite em pó para as vítimas de uma catástrofe ou, mais frequentemente, as correntes virtuais com pérolas de sabedoria, autoajuda e palavras de conforto despejadas diariamente nas redes sociais por bem-intencionados preguiçosos.

Na China é diferente. A palavra “Guanxi” é uma solidariedade positiva, é a adesão a um negócio não apenas porque ele pode ser bom para ambas as partes, mas também porque ele pode dar um empurrão amigo. Na cultura chinesa, Guanxi é um conceito fundador, universal e não tem nada a ver com caridade, condescendência, pena, culpa. Guanxi está na base do sucesso econômico da maior economia do mundo e muito diferente do “cada um por si” anglo-saxão, ou o “fim justifica os meios” sub-tropical. Guanxi também não tem nada a ver com o capitalismo de Estado Chinês, nem com o capitalismo neoliberal ocidental. Guanxi é uma filosofia.

É o equivalente brasileiro da motivação do mutirão, uma rede de solidariedade que se estabelece a partir da colaboração de pessoas com condições e/ou intenções equivalentes. Essas ações geralmente operam às margens das instituições publicas ou privadas. É uma economia “solidária” que é desprezada pelos agentes formais, subestimada pelas elites políticas e até mesmo pelos organismos civis com vocação social (ONGs, entidades de classe, etc) porque parece irracional, sem processo e marginal. Em suma, coisa de churrasco da laje.

Mas quem já teve a oportunidade de se interessar por essa margem, ficaria surpreso com o dinamismo e a extraordinária florescência do Guanxi no Brasil.

Em uma sociedade em que 90% dos pertencentes aos 10% mais ricos consideram o brasileiro uma sub-raça com atavismos de indolência e malandragem incorrigíveis, só o Guanxi tupiniquim pode nos salvar das escolhas políticas que querem defender sua categoria social – o voto covarde em quem me representa – ao invés do bem de todos. Só o Guanxi de todos – e não só dos pobres – nos salvará. #Elenao

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Connect with Facebook